A mídia da cidadania
Vitória da Conquista | 14 de Novembro de 2018
Por Ivan Cordeiro | 30/07/2017 - 15h41

Por Ivan Cordeiro

O cooperativismo parte da premissa do compartilhamento, que cria o ambiente necessário para o exercício da solidariedade e da troca de experiências. O cooperativismo financeiro segue a mesma lógica, a sua força reside na sustentabilidade de seus valores recíprocos e ideais humanitários. Essa realidade não se faz presente no mercado financeiro, onde a competição pelo lucro exclui qualquer possibilidade de cooperação e mutualidade.

As cooperativas de crédito se fortalecem cada vez mais no Brasil, figurando em aproximadamente 600 municípios como as únicas instituições financeiras destas localidades, conforme ressalta Márcio Lopes Freitas (Presidente do Sistema OCB). Uma das principais diferenças em relação aos bancos, é que nas cooperativas de crédito o lucro não fala mais alto. O resultado da cooperativa é distribuído entre os seus associados, de acordo com a participação de cada um na cooperativa. Além disso, as taxas de juros e as tarifas de serviços são bem menores em relação aos bancos.

A prioridade no relacionamento com as pessoas concede às cooperativas de crédito melhores condições de se tornarem a principal instituição financeira de seus associados. Afinal de contas, não é a cooperativa que tem associados, mas os associados que têm uma cooperativa (Ênio Meinen). Esse espírito cooperativista motiva o associado a ser o principal propagandista do cooperativismo financeiro. Quem faz parte de uma cooperativa tem autonomia com voz e voto e ajuda a decidir o destino da instituição.

Nesse sentido, devemos promover o cooperativismo financeiro com a finalidade de promover ainda mais o desenvolvimento da nossa terra e da nossa gente.

Ivan Cordeiro é Coordenador do Conselho Fiscal do Sicoob Crediconquista.

- Deixe seu comentário -