A mídia da cidadania
Vitória da Conquista | 18 de Outubro de 2018
Por Fabio Sena | 04/02/2017 - 17h50
"Descanse em paz, Marisa. O seu 'Lulinha Paz e Amor' vai ficar aqui para brigar por você".

Um ato ecumênico com um discurso de forte apelo político contra as reformas propostas pelo governo de Michel Temer (PMDB) e em defesa de Marisa Letícia marcaram neste sábado (4), em São Bernardo do Campo (Grande São Paulo), o fim do velório da ex-primeira-dama. Em um discurso emocionado e interrompido pelo choro mais de uma vez, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamou de “facínoras” aqueles que “levantaram leviandades” contra a mulher –ré, ao lado dele, em processos da Operação Lava Jato. A ex-primeira-dama morreu na sexta-feira (3) em função de um AVC (acidente vascular cerebral) do tipo hemorrágico. “Marisa morreu triste porque a canalhice, a leviandade e a maldade que fizeram com ela… Quero provar que os facínoras que levantaram leviandades contra ela tenham um dia a humildade de pedir desculpas”, disse Lula, que discursou por aproximadamente 20 minutos. “Esse homem que está enterrando sua mulher hoje não tem medo de ser preso”, afirmou o ex-presidente. “Descanse em paz, Marisa. O seu ‘Lulinha Paz e Amor’ vai ficar aqui para brigar por você”.

 

Ouça abaixo a íntegra do discurso do ex-presidente Lula:

O discurso marcou o encerramento do velório por volta das 15h30, pelo qual passaram 20 mil pessoas, de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na Grande SP. A Polícia Militar não fez estimativa de público. Após a fala de Lula, foi pedido ao público presente que se retirasse para que os familiares e amigos se despedissem de Marisa Letícia com privacidade. O corpo de Marisa Letíca será cremado no cemitério Jardim da Colina, em cerimônia reservada à família. O petista rememorou casos dos mais de 40 anos em que estava casado com Marisa Letícia — dos jantares no Palácio do Alvorada às viagens oficiais ao lado do marido, à época em que Lula ocupava a Presidência (2003-2006/2007-2010). Em uma dessas ocasiões, citou, a então primeira-dama teve um ataque de risos, enquanto comia, ao conjecturar, com o marido, que dificilmente cozinheiros e garçons do palácio teriam, em alguma outra oportunidade, comido pé de frango. “Ela criou os filhos praticamente sozinha. Ela foi mãe, foi pai, foi tia, foi avó, foi tudo. E ela nunca reclamou da vida”, disse emocionado o ex-presidente.

 

 

- Deixe seu comentário -