A informação que você precisa.
Vitória da Conquista | 15 de Agosto de 2020
Por Fabio Sena | 24/02/2017 - 00h36
A experiência do primeiro show deixou bem claro que a novidade não foi uma boa ideia

O barulho promovido pelas caixas de som do palco montado ao lado do Posto Policial Integrado (PPI), tradicionalmente instalado em frente ao Farol da Barra, foi duramente criticado pelos policiais durante reunião na Sala de Crise do Centro de Operações e Inteligência – 2 de Julho, da qual participaram o secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa, e demais autoridades envolvidas na organização da folia e representantes do Conselho Municipal do Carnaval de Salvador (Comcar), na quarta-feira (22). O registro de ocorrências chegou a ser interrompido devido à falta de condições de atendimento, gerada pela situação. “A experiência do primeiro show deixou bem claro que a novidade não foi uma boa ideia, pelo menos em relação ao local onde foi instalado”, afirmou a diretora do Departamento de Polícia Metropolitana, Fernanda Porfírio.

A importância do cumprimento de horário do desfile dos blocos, do discurso de apologia à paz, entre outros assuntos que podem influenciar na dinâmica da segurança do Carnaval 2017. “A compreensão é de que todos têm um papel fundamental para que a festa aconteça de forma pacífica. Os blocos e os artistas também estão inseridos neste contexto. O discurso com foco na diversão e sem fazer apologias que possam induzir os foliões a terem posturas mais agressivas também são de extrema importância”, destacou Maurício Barbosa. Responsável pelo planejamento do policiamento realizado pela Polícia Judiciária na folia, a diretora ressaltou a insatisfação dos policiais que atuaram no PPI. “Recebi diversas ligações reclamando da situação. Criou um ambiente insalubre para os nossos policiais, situação totalmente fora dos padrões estabelecidos pelo secretário e pelo delegado-geral”.

Monitoramento

Coordenador de Grandes Eventos da SSP, o tenente-coronel Marcos Oliveira informou que o órgão vai monitorar a altura do som produzido pelo palco, através do Departamento de Polícia Técnican (DPT), a fim de produzir laudos que avaliem a situação. Comprovada tecnicamente a irregularidade, os órgãos competentes serão acionados de modo que possa não haver impacto negativo no trabalho dos policiais e no atendimento à população. Presidente do Comcar, Pedro Costa, avaliou como positiva a reunião. “O diálogo contribui e muito para que os blocos, trios, camarotes e todos os envolvidos na festa tenham um Carnaval de paz”, finalizou.

- Deixe seu comentário -