A mídia da cidadania
Vitória da Conquista | 25 de Setembro de 2018
Por Maurício Sena | 28/04/2017 - 14h35
"Temos que separar o que é luta pelo direito do trabalhador e luta por direitos particulares prejudicados".

Por Andreza Americano

Eu, que sempre fui da luta pelas causas sociais e o bem coletivo, hoje me vi em um dilema sobre qual foi a bandeira que sempre levantei, porque vejo hoje as manifestações sem a mesma emoção e espírito coletivo de antes. Depois de tantas barbaridades noticiadas e comprovadas, pessoas que se dizem “representantes da causa”, na verdade, lutando por interesses particulares, um povo que sai pra bater panela contra as pedaladas e se cala com a regulamentação da mesma pedalada dias após um Impeachment.

Tenho a impressão que o bater de panelas não ecoou a voz do povo, os Renans, Eduardos, Dirceus, Cabrais, Lulas e todos os Ps que os acompanham são regidos pelas Odebrecht e afins e onde está o povo nisso tudo? Onde estão as panelas? Onde estão os caras pintadas? Onde estão os movimentos sociais? Lutando pelo povo ou lutando pela regalia e cabides de empregos?

Fala-se em direitos do trabalhador e em lutas contra as reformas e eu, incrédula que estou, me pergunto se esse é o real motivo. Não posso generalizar pois há muitos que estão na rua por uma causa, mas infelizmente são “rotulados” com os que estão “lutando em causa própria”.

São tantos bilhões nos bolsos dos nossos representantes que eu não sei como ainda não fechamos as portas no Brasil. “Verás que um filho teu não foge a luta”, isso sempre me emocionou e hoje eu me pergunto: que luta?

Fiquei me perguntando: por que 28 de abril e não 1º de maio? Não seria mais prudente pensar no hoje e na data de 1 de Maio? A causa é nobre e toda luta é válida, mas uma greve geral no dia que antecede um feriado prolongado gera questionamentos infindáveis. Sou a favor das manifestações, mas a bandeira a ser levantada é a da luta e não das siglas partidárias.

Temos que separar o que é luta pelo direito do trabalhador e luta por direitos particulares prejudicados.

Andreza Americano é graduada em Ciências Contábeis e pós graduada em Gestão Tributária

- Deixe seu comentário -