A mídia da cidadania
Vitória da Conquista | 15 de Dezembro de 2018
Por Fabio Sena | 30/04/2017 - 22h23

Guilherme Arantes, no Facebook

“Não é nada legal receber mais uma noticia dessas. É chatíssimo ver nossos contemporâneos partirem, toda uma safra de despedidas, muito triste. Ainda mais um amigo leal e importante como esses. Um pedaço da mocidade da gente vai embora, nessas horas, mas é a lei natural… Isso é que dá viver! Belchior, que eu não canso de homenagear de todas as maneiras, foi e sempre será o melhor letrista de canções transformadoras que já existiu. Uma mente privilegiada em cultura e de talento cortante e visceral. Uma pessoa doce, querida, com a qual pude compartilhar muitos saraus em sua casa, com vinhos, literatura, muitas risadas, muita sabedoria e ensinamentos.

Compartilhamos muitas viagens para nossas batalhas no Rio, e jamais vou esquecer nossas caminhadas em Copacabana, um companheirão que passou por todas as dificuldades possíveis num país de grande perversidade, de muitos privilégios, de muitos ‘protegidos’ e eternas injustiças. Mas o mundo lhe fez, faz e fará justiça, com toda sua liberdade de ser e de criar… A morte? A jogada é tirar de letra … Afinal, é a única coisa mais fatalmente certa que existe. Nascer, morrer, faces da mesma moeda. Choramos o desconhecido… Mas assim como morrem pessoas, outras estão nascendo, a diferença é que não sabemos quem serão, pra podermos dar o mesmo valor. VIVA BELCHIOR!!!”

- Deixe seu comentário -