A informação que você precisa.
Vitória da Conquista | 14 de Agosto de 2020
Por Fabio Sena | 12/05/2017 - 02h06
Segundo a CDL, tem ocorrido recorrentes discussões entre os componentes do movimento

Já praticamente integrados à paisagem da Praça 9 de Novembro, onde comercializam peças diversas de artesanato – muitas das quais confeccionadas no próprio local da venda – os hippies foram notificados na tarde desta quinta-feira (11) e têm pouco mais de setenta e duas horas para deixarem o local e optarem por dois outros espaços de venda. Foram oferecidas duas alternativas: a Praça Sá Barreto e a calçada do Mercado Municipal do Bairro Brasil.

A postura da Secretaria de Serviços, de notificar os hippies, decorreu de uma determinação do Ministério Público, que acolheu denúncia formulada pela Câmara de Dirigentes Lojistas|CDL. Segundo esta entidade, os artesãos fixados na praça há vários anos estavam causando transtornos a lojistas e transeuntes por causa principalmente de suposto uso de drogas. Teriam se tornado rotineiras as brigas e a necessidade de intervenção policial.

“Apesar da importância desta atividade sob o ponto de vista cultural, é sabido alguns desses artesãos infelizmente tem adotado repetidas condutas que prejudicam todo o comércio da localidade, ou seja, consomem bebidas alcoólicas\drogas com muita frequência, o que potencializa posturas inconvenientes, desrespeitosas, até mesmo assustadora para os consumidores que passam na praça”, afirmou a CDL em documento encaminhado ao MP.

Ainda segundo a CDL, tem ocorrido recorrentes discussões entre os componentes do movimento, “com palavras de baixo calão, perturbação dos consumidores e público que transitam pelo percurso, gerando assim queixas que são direcionadas aos lojistas. Brigas são rotineiras entre eles, e algumas necessitam de intervenção policial”. Seriam comuns ações de vandalismo, como danificação de fechadura de portas, além de constrangimento a cidadãos, consumidores e empresários”.

- Deixe seu comentário -