A mídia da cidadania
Vitória da Conquista | 26 de Setembro de 2018
Por Fabio Sena | 23/05/2017 - 16h03
Presidente da Comissão de Infraestrutura, Desenvolvimento Econômico e Turismo, Hildécio Meireles

Nesta quinta-feira (25), a cidade de Valença será palco de debate sobre o “fortalecimento da cadeia produtiva do cravo da índia e seus efeitos”. Trata-se de audiência pública promovida pelas comissões de Agricultura e Política Rural e de Infraestrutura, Desenvolvimento Econômico e Turismo, da Assembleia Legislativa da Bahia, proposta pelo deputado estadual Hildécio Meireles. O parlamentar explica que o objetivo do encontro é promover o reconhecimento e zoneamento da produção do cravo da índia pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, bem como o seu registro no banco de dados do IBGE.

Presidente da Comissão de Infraestrutura, Desenvolvimento Econômico e Turismo, Hildécio Meireles acredita que o reconhecimento do cravo de índia vai proporcionar melhores condições para o crescimento do cultivo e comercialização, a exemplo de abertura de linha de crédito, dentre outros incentivadores. Ele explica ainda que a escolha do local se deu porque o cravo da índia, cultura que embora nativa da parte oriental do planeta, encontra-se presente em quase todos os 14 municípios do Território do Baixo Sul.

A especiaria, muito comum na culinária, não tem como objetivo apenas fornecer seu forte aroma e sabor aos pratos, mas sim como uma aplicação de seus benefícios medicinais. O cravo da índia possui ação analgésica e antisséptica, ajudando a amenizar dores de cabeça, cólicas menstruais, candidíase oral, febre, dores de dente e inflamações da garganta. Além disso, age como antioxidante devido à sua capacidade de liberar hidrogênio e diminuir a peroxidação lipídica, ou seja, quebrando as gorduras poli-insaturadas, e combatendo o envelhecimento precoce da pele. Atua ainda como antisséptico bucal combatendo o mau hálito e ajuda quem sofre com o hipotireoidismo, pois contribui com o bom funcionamento da tireoide. Entre seus benefícios encontramos ainda o controle do colesterol, sua ação como antifúngico, antiviral, e seu uso para o tratamento de espinhas, infecções da pele e micoses.

“Na região encontrou clima propício para o seu desenvolvimento e, por décadas, representa uma importante atividade econômica para os agricultores familiares da região, porém vem sofrendo com uma grande mortalidade de suas árvores, o que vem impactando muito a produção local, ocasionando uma situação bastante crítica para os seus produtores. Para se ter ideia, a produção atual é estimada em 4 mil toneladas/ano, mas já atingiu índices de 14 mil toneladas ano. Estima-se ainda que estejam interligados a cadeia produtiva do Cravo um contingente de 50 mil pessoas entre a sua produção, colheita e comercialização”, destacou.

O parlamentar complementa ainda que somado a esses fatores “a inexistência de um pacote tecnológico que assegure o desenvolvimento sustentável e a enorme dificuldade para se ter acesso a crédito de financiamento e de fomento, perante os bancos oficiais, também vem trazendo grandes prejuízos a esta cultura que muito representa para a economia da região. E o maior objetivo é mudar esse cenário”.

O ato está marcado para às 9h, na sede da Segunda Igreja Batista, situada à Avenida ACM, nº 180, Bairro São Félix. Foram convidados o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, o diretor geral da Ceplac, Juvenal Maynart Cunha, o presidente do IBGE, Paulo Rabello Castro, o secretário estadual de agricultura Vitor Bonfim, dentre outras autoridades.

- Deixe seu comentário -