A mídia da cidadania
Vitória da Conquista | 15 de Dezembro de 2018
Por Diário Conquistense | 17/09/2017 - 15h14
Samuel Rosa durante show do Skank no palco Mundo do Rock in Rio 2017 - Pablo Jacob / O Globo

Samuel Rosa aproveitou o espaço no palco Mundo do Rock in Rio durante o show do Skank, neste sábado, para criticar duramente a corrupção e a classe política brasileira. O discurso veio logo antes da música “Indignação”, do primeiro álbum da banda, de 1992.

— Nesse momento conturbado, de uma crise moral, crise ética, quero falar para a classe política do país não tornar tão árdua e tão difícil a missão de acreditar neles. — disse o cantor e compositor. — Nosso dinheiro está escorrendo pelo ralo. Dinheiro que devia estar indo para leitos nos hospitais, para a educação, para a criançada não cair no crime, para formar cidadãos, para as estradas, enfim. Não para grandes grupos econômicos.

Em seguida, o cantor fez questão de diferenciar o povo brasileiro da classe política envolvida em escândalos de corrupção.

— Quero deixar claro aqui que de um lado e de outro a gente não se parece com vocês políticos brasileiros. A gente é diferente. Voces são piores que ladrões, vocês matam gente.

Em meio a gritos de “Fora Temer”, Samuel Rosa então anunciou a canção que viria em seguida.

— É um prazer tocar uma música do nosso primeiro disco, mas que critica o Brasil, critica a apatia do povo, que graças a Deus está se dissipando, estamos ficando mais ativos. Indignação é a palavra.

Logo após a música, Rosa elogiou a iniciativa do Amazônia Live, projeto socioambiental do Rock in Rio que pretende plantar 73 milhões de novas árvores na floresta amazônica.

Mais cedo, durante o show da Blitz, Evandro Mesquista também havia feito um discurso com tons políticos antes de cantar “Aluga-se”, de Raul Seixas. E ainda no primeiro show do dia, no tributo a João Donato, Mariana Aydar modificou a letra de “Emoriô” para incluir um “Fora, Temer”.

O Globo

- Deixe seu comentário -