A mídia da cidadania
Vitória da Conquista | 15 de Dezembro de 2018
Por Fabio Sena | 08/11/2017 - 17h30
Esses foram os primeiros deputados baianos.

por Fabíola Mansur

A imagem que ilustra essa mensagem é um registro da exposição “Barroco Ardente e Sincrético – Luso-Afro-Brasileiro”, em cartaz no Museu AfroBrasil, em São Paulo. São quatro bustos de autoria do artista plástico Hebert Magalhães que retratam os revolucionários Luís Gonzaga das Virgens, Lucas Dantas de Amorim Torres, Manuel Faustino dos Santos Lira e João de Deus do Nascimento.

Esses foram os primeiros deputados baianos. Quatro jovens negros oprimidos pelo regime colonizatório e escravocrata que pagaram com suas vidas por sonhar com uma Bahia livre o suficiente contar com o seu próprio poder legislativo. Isso foi há 218 anos. Hoje, nós baianos, deputados ou não, temos o dever de reverenciar a memória desses heróis. Hoje e sempre.

Por esta razão, o nosso mandato, acolhendo a uma sugestão do presidente do Bloco Afro Olodum, João Jorge, indicou à mesa diretora da Assembleia Legislativa a implantação de um memorial aos nossos mártires na Casa do Povo. Além do Memorial, com os bustos dos revoltosos, apresentamos ainda um projeto de lei para a criação da Comenda da Liberdade Revolta dos Búzios, destinada a homenagear os cidadãos que dedicaram a vida na luta pela promoção da igualdade.

Uma luta que não se encerrou com o advento da abolição da escravatura e da independência do Brasil. Continuamos a ser um dos países mais injustos e desiguais do mundo. Precisamos não de heróis, mas de políticas públicas capazes de reconhecer os erros do passado, reparar suas consequências no presente, e preparar-nos para um futuro em que haja espaço para todos, pois esta terra é rica e farta e pode prover todas as nossas necessidades.

- Deixe seu comentário -