A mídia da cidadania
Vitória da Conquista | 15 de Dezembro de 2018
Por Fabio Sena | 05/01/2018 - 08h57
“O PT, o PSD, do senador Otto, e o PP são partidos que hoje têm posição de destaque".

O governador Rui Costa (PT) resolveu começar o ano saindo da defensiva no discurso político partidário. Em entrevista coletiva ontem ele falou pela primeira vez (em público) sobre a montagem que vai se desenhando para a composição de sua chapa em outubro próximo, e revelou que têm preferência PT, PP do vice-governador João Leão e PSD do senador Otto Alencar. “O PT, o PSD, do senador Otto, e o PP são partidos que hoje têm posição de destaque e que devem ter a mesma posição no processo sucessório”, disse Rui na cerimônia de entrega de um terminal rodoviário na Avenida Tancredo Neves, em Salvador. Ele ponderou, contudo, que ainda não há definição e que “é cedo demais” tentar fechar qualquer acordo entre os partidos aliados agora. “Vamos conversar com todo mundo. É prematura qualquer decisão. Essa eleição é mais curta. Isso também vai se compatibilizar com arranjo nacional. Ainda é cedo. Estamos em janeiro ainda”, disse o governador em conversa com jornalistas. Já não é novidade no cenário político baiano a garantia da vaga de vice a João Leão, contemplando o Partido Progressista (PP). Na briga pelas outras duas vagas, para o Senado, a rigor estão os principais aliados de Rui, como PSB da senadora Lídice da Mata, PDT, PR, PSL e PCdoB, além do próprio PT.

No Partido dos Trabalhadores há o sentimento de relativa garantia de uma das duas vagas da senatoria para o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Jaques Wagner. Mas há quem defenda entre os petistas (incluindo o próprio Wagner – pelo menos em público) que ele pode abrir mão da vaga e disputar como candidato a deputado federal, a fim de aliviar um pouco a tensão, pois assim Rui disporia de duas vagas para os aliados. Embora tente se mostrar comedido sobre o assunto, o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, deputado Ângelo Coronel, é assediado por grande parte dos líderes do PSD para se candidatar ao Senado. Mas a decisão de colocar seu nome oficialmente será tomada apenas em março próximo, conforme prevê o senador Otto Alencar, presidente do partido na Bahia. O outro nome entre os considerados mais fortes é o da senadora Lídice da Mata, que garante que será candidata pela chapa de Rui ou fora dela, numa composição ‘independente’.

Tribuna da Bahia

- Deixe seu comentário -