A mídia da cidadania
Vitória da Conquista | 26 de Setembro de 2018
Por Diário Conquistense | 08/09/2017 - 11h08

Por Ivan Cordeiro

O governo municipal tem investido seus esforços diários em importantes direções: na saúde, na educação, no desenvolvimento social, no meio ambiente, atuando de forma discreta mas com foco na qualidade de vida da população de Vitória da Conquista. Em oito meses de governo muita coisa foi feita e muitas outras ações já foram planejadas para melhorar ainda mais a cidade. A equipe do prefeito Herzem Gusmão mergulhou fundo na elaboração de um planejamento estratégico e definiu metas que vão mudar a cara da cidade.

Dentre as mudanças já realizadas, a população tem sentido de forma mais clara a limpeza da cidade, que inclusive foi uma prioridade do governo já nos primeiros dias, em janeiro, com a limpeza inédita de todos os canais e da Lagoa das Bateias. Toneladas de lixo e entulho foram retiradas e aos poucos a população foi sentindo a diferença entre uma cidade verdadeiramente limpa e uma cidade sem asseio. A Luis Eduardo Magalhães é mais um exemplo de limpeza e quem transita diariamente naquela avenida sente a mudança.

Por Diário Conquistense | 08/09/2017 - 11h07

Por Ivan Cordeiro

A equipe técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social de Vitória da Conquista vem realizando um trabalho bastante produtivo de regularização fundiária em diversas áreas que foram abandonadas pelos governos petistas na cidade, que apesar dos vinte anos de administração não tiveram sensibilidade para garantir aos moradores a posse definitiva de seus terrenos.

Moradores de bairros como o Vila Elisa, Bruno Bacelar, Renato Magalhães, Recanto das Águas, Alto da Boa Vista e Conjunto da Vitória, estão recebendo pela primeira vez o cuidado para tornarem-se proprietários de fato dos terrenos que ocupam. Com isso, passarão a ter direito real à cidade e a todas as oportunidades que a posse dos terrenos garante. As ações que já foram realizadas aconteceram sempre com a maior transparência e em parceria com os moradores, articulando comunidade, associações e gestores públicos.

Por Fabio Sena | 22/08/2017 - 09h30
Não creio na santidade de Lula. Tampouco o demonizo.

por Thaty Miranda|Jornalista

Esquerdista! Apesar de muito familiarizada com o termo que tão bem me define, não pude me manter insensível à sonoridade agressiva com a qual ele me chega aos ouvidos ultimamente. O tom raivoso utilizado por algumas pessoas com as quais conversei nos últimos dias me tirou daquela comodidade natural de quem se identifica com uma leitura sobre si mesmo. O país está mais polarizado do que nunca. Assim percebo. Mais que dividir opiniões políticas em direita e esquerda – sem muita reflexão sobre os conceitos -, Lula e Moro, atualmente, no Brasil, se espalha um discurso de ódio tão forte que alguns questionamentos são facilmente encarados como defesa de determinada figura ou certo partido.

Por Fabio Sena | 17/08/2017 - 09h47
É sabido que a atual composição do Congresso é das mais atrasadas e das mais envolvidas com a corrupção.

por Haroldo Lima

A “direita” age assim. Quando pode, apanha nos porões da história as bandeiras mais esfarrapadas e bolorentas, apresenta-as como coisas novas e amarra tudo num casuísmo desavergonhado. Logo que terminou o regime militar, o povo começou a protestar contra a sobrevivência do “entulho autoritário” da ditadura. O Congresso, sensível na época a anseios democráticos, identificou esse “entulho”, no qual três pontos se destacavam: “a cláusula de barreira de 5%”, a “proibição de coligações proporcionais” e o “voto distrital misto”. Cada um tem sua história.

Por Diário Conquistense | 16/08/2017 - 17h23

Por Ivan Cordeiro

O relatório “Perspectivas Globais de Urbanização”, elaborado em 2014 pela Organização das Nações Unidas, mostra que, pela primeira vez, a população urbana superou a rural no planeta. Segundo o documento, 3,9 bilhões, ou seja, 53% das pessoas estão morando em áreas urbanas. Em 2050, seremos algo em torno de 7 bilhões de citadinos, o equivalente a 70% da população.

Os estudos da ONU revelam ainda que sairemos das atuais 28 para 41 megacidades em 2030. São apontamentos importantes sobre a superurbanização e demonstram que, mais do que nunca, não há espaço para improvisos ou amadorismos quando o assunto é pensar as cidades que vão abrigar esta grande quantidade de pessoas em busca de emprego, habitação, saúde, lazer, coleta de lixo e transporte.

Por Fabio Sena | 13/08/2017 - 01h44
Me dirijo particularmente neste momento a todas às mulheres e peço desculpas humildemente pela infantilidade e por não ter sido capaz de agir de forma digna naquele momento.

por Augusto Filho

Eu, Augusto Cardoso dos Santos Filho, pai de três filhos maravilhosos, de 24, 21 e 15 anos respectivamente, sendo a de 15 uma menina linda que a todo instante procuro me comportar com pai exemplar, avô de uma neta linda de cinco anos, casado com a mesma mulher há vinte e cinco anos, me sinto envergonhado pelo meu comportamento relacionado a um telefonema que recebi, onde ali havia muito nítida a intenção de me envolver num contexto que em nada está relacionado à minha verdadeira personalidade no tocante às mulheres. Não pretendo com esta carta aberta ao público, em hipótese alguma, tentar minimizar as consequências daquelas palavras malditas proferidas por mim.

Por Fabio Sena | 08/08/2017 - 19h00
Nesse contexto, uma perigosa e infeliz polarização vem se estabelecendo entre personagens do cenário nacional, invadindo o ordenamento jurídico e contaminando alguns operadores do Direito

por Jarbas Vasconcelos do Carmo e Diogo Tebet

Nos últimos anos, não há mais destacado assunto na mídia do que a operação “lava jato”, alçada quase a uma verdadeira instituição com personalidade jurídica própria. Atos inerentes ao processo penal, como prisões (muitas delas ilegais), conduções coercitivas e até interrogatórios são repassados à imprensa como se fossem episódios de série televisiva. Nesse contexto, uma perigosa e infeliz polarização vem se estabelecendo entre personagens do cenário nacional, invadindo o ordenamento jurídico e contaminando alguns operadores do Direito, que aparentam ostentar o monopólio da moralidade e correção em detrimento de outros. Tal fenômeno vem criando disfunções na conduta de determinados agentes da persecução penal que, se arvorando em analistas da conjuntura nacional, extrapolam sem pudor o papel institucional que lhes é destinado.

Por Fabio Sena | 08/08/2017 - 17h07
Derrotamos esses métodos com as mobilizações populares, a campanha das Diretas Já sem uma vidraça quebrada.

por Domingos Leonelli

A primeira foi conceder titulo de cidadão soteropolitano a João Doria Jr, um prefeito de São Paulo sem nenhuma ligação ou serviço prestado a Salvador. Seria menos mau um título na Assembleia, porque pelo menos ele realiza em Comandatuba um grande encontro empresarial. O perigo dessa bobagem é prestigiar alguém somente pelo seu discurso raivoso contra o PT e as esquerdas. Esquecendo-se que seu próprio pai foi cassado pelo golpe de 64.

A segunda bobagem foi passar da vaia ao ovo. Não é pouca coisa, não. Significa sair de uma manifestação verbal (ainda que na sua forma mais primária, a do grito) para a agressão física. A primeira reação da direita foi denunciar (e faturar politicamente) o vandalismo, a vergonha para a Bahia, etc. Mas a segunda, provavelmente poderia vir em forma de contra-ataque em nome da autodefesa. E não falta dinheiro à direita para contratar milícias, malhadões de academias, policiais de licença. E aí, desejamos mesmo este tipo de confronto?

Por Fabio Sena | 05/08/2017 - 10h51
A melhoria na condição física traz inúmeras vantagens, inclusive o retardamento do processo de envelhecimento biológico

por Fabíola Mansur

Hoje se comemora o Dia Mundial da Saúde, data criada com a finalidade de conscientizar a população a respeito dos vários aspectos que envolvem a saúde. A prática de exercícios físicos trazem benefícios que são perceptíveis. Cuidar do corpo também melhora as funções orgânicas, beneficiam no controle, tratamento e prevenção de doenças – como a diabetes, hipertensão, arteriosclerose, enfermidades cardíacas, varizes, problemas respiratórios, artrose, distúrbios mentais, artrite e dor crônica, entre outras. A melhoria na condição física traz inúmeras vantagens, inclusive o retardamento do processo de envelhecimento biológico, favorecendo a longevidade. Mas é sempre bom lembrar que toda atividade física deve ser acompanhada por um educador físico e, nunca é demais lembrar a importância de manter consultas médicas regulares para verificar se não há alguma contra indicação.

Por Fabio Sena | 04/08/2017 - 11h58
Luiz Melodia é a síntese mais perfeita de Pixinguinha, Noel Rosa, Ismael Silva, Cartola, Zé Keti, Nelson Sargento

Vi Luiz Melodia pela primeira vez no Programa Livre, apresentado por Serginho Groisman, no SBT, lá no comecinho dos anos 90. Eu tinha meus 15 anos. Ele foi convidado ao palco pela singela qualificação de “Pai da Música”. Aquilo me causou um choque profundo. O Pai da Música. Que homem seria este que, nascido no Século XX, poderia ser o pai de uma arte tão antiga e universal?

No entanto, quando o vi e o ouvi fixei-o na alma e ele jamais se desprendeu. Jamais. Luiz Melodia foi um amor que percorreu comigo todos os longos e mais saborosos e delicados e solitários e infinitos caminhos. Quantas vezes Farrapo Humano explodindo de alegria o espírito enquanto descia, de bicicleta, a Serra do Marçal… Quantas milhares de vezes, nas ruas de Brasília, à pé, entregando contas de luz, Luiz Melodia tornava dulcíssima aquela árdua tarefa sob sol escaldante do Cerrado.

Por Fabio Sena | 01/08/2017 - 21h12
Amamentar é, antes de mais nada, um gesto de amor e cuidado! Compartilhe essa ideia

Fabíola Mansur|Deputada Estadual

O aleitamento materno faz toda diferença na vida da mãe e do bebê. Seus benefícios são inúmeros, muito além da nutrição. Fortalece, também, a imunidade da criança e protege a mãe contra hemorragias pós parto, além de reduzir o risco de câncer de mama e endométrio. Estudos recentes tem demonstrado a associação positiva do leite materno com o desempenho cognitivo: a amamentação exclusiva por seis meses resulta em melhores resultados nos marcos de desenvolvimento e nos teste de inteligência e existe uma relação direta positiva entre a duração total do aleitamento materno com o sucesso escolar aos dezoito anos de idade.

Por Diário Conquistense | 31/07/2017 - 13h57

Por Dário Sales

Ao se recusarem a realizar uma tarefa da disciplina ironicamente denominada “Casa Grande”, alguns estudantes de arquitetura da UFMG iluminaram uma importante discussão: a persistência de espaços denominados “quarto de empregada” em empreendimentos residenciais. A meu ver, uma discussão tão importante quanto a que a última reforma trabalhista deveria ter ensejado. No entanto, cabe denunciar o tom polemista com que os estudantes abordaram tal questão. Ao tomar o interlocutor como um adversário, que não goza da sua legitimidade, e cujo discurso é preciso silenciar, o polemista é incapaz de fazer avançar novas ideias.

Dentre os comentários que se seguiram ao texto que denunciava o ocorrido, chamaram-me a atenção aqueles que exortavam os estudantes de arquitetura a mudarem de curso e migrarem para a sociologia. A caricatura do sociólogo como aquela figura quixotesca constantemente indignada é digna de nota. Não deixa de ser preocupante que, para alguns, a naturalização do status quo seja objeto de questionamento apenas para um grupo específico de indivíduos.

Por Diário Conquistense | 30/07/2017 - 15h40

Por Ivan Cordeiro

Vivemos o século das cidades. As importantes transformações e inovações acontecem no território urbano. É exatamente no cotidiano da vida urbana que nos deparamos com a rapidez das mudanças introduzidas pelas novas tecnologias. Para o arquiteto e urbanista Carlos Leite, “as cidades inteligentes, podem e devem alavancar a otimização da vida urbana”. Nesse sentido, as relações sociais são cada vez mais afetadas pelo papel inovador das grandes cidades, constituindo, por conseguinte, novos modos de vida, tanto nos negócios, como na cultura, na educação, no entretenimento, enfim.

Richard Florida é autor do conceito, a “Classe Criativa”, que trata a criatividade como o imperativo econômico de uma nova classe de indivíduos cuja função econômica é criar novas ideias, novas tecnologias ou novos conteúdos criativos. O autor reforça o que muitos já sabem: a criatividade gera desenvolvimento econômico. Dessa forma, a criatividade deve ser estimulada no ambiente urbano. As cidades precisam ter a capacidade de reter profissionais criativos com a maior diversidade de atuação possível.

Por Fabio Sena | 25/07/2017 - 12h11
Os movimentos feministas e os de direitos humanos se calaram também. Lembram?

por Florisvaldo Bittencourt

Hoje faz 1 ano e três meses que Jessica, grávida, foi espancada e morta com seu filho, por Américo. lembram? O assassino foi preso em flagrante, a prisão foi registrada como lesão corporal e foi paga fiança de R$ 5.000,00. Lembram? Claro, o assassino filho de família rica, fugiu e está protegido. Jéssica, filha de família pobre, junto com o bebê, está presa debaixo da terra, morta. Lembram? Os movimentos feministas e os de direitos humanos se calaram também. Lembram? A imprensa também se calou. Lembram? A polícia Civil, a quem compete a captura do criminoso, se calou. Lembram? Pois é, eu não esqueço desse episódio que é a demonstração de como o braço forte da lei e do Estado só funciona contra o lado pobre e para proteger o lado rico da sociedade. Lembrar desse caso é mais que falar de Jessica… É para lembrar que outras Jessicas pobres continuam morrendo e outros assassinos como Américo continuam soltos.

Por Fabio Sena | 26/07/2017 - 12h06
Ney vive sua terceira idade em seu palácio cercado de empregados, mandando e dando ordens.

por Marcelo Cerqueira|GGB

Bicha é muito engraçada, realmente! Falam tantas coisas sobre elas, e elas também falam muitas coisas sobre si. Dizem que bicha não morre, vira purpurina, fica eternizada. Eu acho isso lindo, porque eu amo a viadagem clássica, ver bichas requebrando, rebolando é lindo demais. E existem bichas de todas as espécies, bichas direitistas, esquerdista, bichas putas, bichas artistas, nenhuma é igual à outra, mas a viadagem é a geral. Ney Matogrosso quando diz essas coisas gay, ser humano, aos 75 anos de idade, depois de desmunhecar para caralho, usar roupa feminina, maquiagem, inova e divulga uma nova categoria de bicha, a bicha ser humano. A bicha ser humano renega a condição de “gay” e a sua orientação sexual. Mas o esquizofrênico de tudo isso é que a pulsão produtiva dele usou e abusou dos arquétipos, dos trejeitos, dos falsetes, e como é agora, renega isso que lhe deu luxo, poder e glória?!

Por Fabio Sena | 21/07/2017 - 15h20
Receitou-me, também, que mudasse de ares. Aconselha. Carrega sua casa, moradia do coração. Mandou-me ir para o sertão. Aquele. Grande. Veredas.

por Ronaldo Ferraz

Depois dos quarenta vai-se mais ao médico. Comigo, não está sendo diferente. Procurei um médico do avesso. Desses que não cuidam, necessariamente, do corpo. De doenças do fígado, dos olhos ou de quaisquer órgãos de funcionamento. Um médico, hoje, mais se parece com um “cuidador de órgãos”, de partes de um corpo. De fragmentos de vida.

Procurei um médico no sentido literal da palavra: medicus. Expressão que se originou a partir do vocábulo mederi, que originalmente significava o ato ou conhecimento de “saber o melhor caminho” para algo. Assim, movido por essa ideia, procuro um sabedor de caminhos. Seu consultório se dar em paredes abertas ao vento. Não tem entraves burocráticos. Os diagnósticos são abertos a múltiplas possibilidades. Suas receitas são tantas e variadas que até servem para dores de alma.

Por Maurício Sena | 20/07/2017 - 17h20
Começo a pensar que 43 é um número emblemático. Estou, assim como no futebol, a dois minutos de virar o tempo para o segundo momento do jogo. O famoso segundo tempo. Numa partida, que como no futebol dos europeus, o tempo corre em contínuo.

Confesso. Não sou fã de futebol. Não que o ache desinteressante. Se não fosse, muita gente boa não teria despendido tempo para pensá-lo e até produzir literatura. Luis Fernando Veríssimo, Nelson Rodrigues, João do Rio, Ruy Castro, Ferreira Gullar e tantos outros. Com Lima Barreto, autor de O triste fim de Policarpo Quaresma, não foi diferente. Mas para criticá-lo. Dizia este, no início do século XX, momento em que o futebol começa a cair no gosto do povo brasileiro, que era um esporte que só gerava brigas e desperdício de dinheiro público. Mais tarde, o escritor alagoano, Graciliano Ramos diria que era “só fogo de palha”. E as coisas tomaram outro rumo. Para Paulo Mendes Campos “o brinquedo essencial do homem é a bola. Quem ganha uma bola descobre dois mundos, o de dentro e o de fora”.

Por Maurício Sena | 07/07/2017 - 18h17
"Ao sertanejo, pompas e confetes. Ao forró, migalhas e pedradas"

Por Rodrigo de Castro Dias*

Não dá para fechar os olhos para a descaracterização cultural que o São João nordestino vem sofrendo. As festas de São João se assemelham cada vez mais aos festivais de música como Villa Mix e Festival de Verão, feitos para grandes multidões. Os promotores de eventos estão cada vez mais privilegiando um círculo restrito de artistas escudados por enormes aparatos de mídia. O sertanejo universitário está na ponta de lança deste movimento.

Por Maurício Sena | 06/06/2017 - 12h08

Por Marco Antonio Jardim Melo

Registrei o esplendor e o brilho de um sonho, um desdobramento. Sim, eu parecia estar dormindo, com imagens de mera fantasia se constituindo em meu espírito com superior autenticidade. Era fim de tarde de domingo e eu fugia de agitações públicas. Apesar de contínuo vento frio, havia uma luz que apanhava a paisagem num movimento súbito, num lance de vistas. Um semitom que nem mesmo o sol adivinharia suas pistas. O tempo, neste sonho real, provocava alguma sensação de saudade. Creio que porque, ali, naquela rua que me parecia próxima à Southwark Bridge, eu via me vendo nas crianças com chuvinhas nas mãos. Eu via meu vulto muito mais que posso vê-lo hoje nas profundezas do coração. Muito mais que eu dos pés à cabeça, ainda cedo, antes do sol se pôr, exposto ao ar livre, brilhando como as gotas em cada flor. Sob a sombra de bandeirolas, via em mim um homem fragmentado.

Por Fabio Sena | 26/05/2017 - 10h58
A grande imprensa não trata como vandalismo o recebimento de propina

por Ruy Medeiros

Vandalizam nossas mentes, vandalizam nossa consciência, vandalizam esperanças, vandalizam promessas, vandalizam projetos de vida, vandalizam o próprio futuro esperado e prometido. Mas os senhores que ocupam o poder e levaram ao extremo a privatização do Estado por grupos empresariais não se sentem vândalos quando destroem conquistas trabalhistas, que foram obtidas com sacrifícios e vêm sendo mantidas com lutas e sangue, iniciam (a título de salvá-la) o desmonte da previdência social, que querem transformar em agência de auxílio-funeral a viúvas e miseráveis dependentes.

Por Fabio Sena | 22/05/2017 - 08h18
Aécio Neves deixou de ser colunista da Folha

Nos últimos dias, minha vida foi virada pelo avesso. Tornei-me alvo de um turbilhão de acusações, fui afastado do cargo para o qual fui eleito por mais de 7 milhões de mineiros e vi minha irmã ser detida pela polícia sem absolutamente nada que justificasse tamanha arbitrariedade. Tenho sentimentos, sou de carne e osso, e esses acontecimentos -o que é pior, originados de delações de criminosos confessos, a partir de falsos flagrantes meticulosamente forjados- me trouxeram enorme tristeza. Também, por certo, alimentaram decepção naqueles que confiaram em mim ao longo de minha vida pública. É principalmente a estes que ora me dirijo. Tenho me dedicado a tentar construir um país melhor. Neste último ano empenhei-me em ajudar o presidente Michel Temer no árduo trabalho de reerguer o país, o que, avalio, vem sendo bem-sucedido. Há, porém, muitos insatisfeitos e contrariados com as mudanças em marcha.

Por Fabio Sena | 22/05/2017 - 07h57
A mensagem que quero deixar à Nação é: defenderemos o Brasil, tendo como missão a entrega de um novo País às próximas gerações.

por Michel Temer, presidente da República

Foi-me confiada a responsabilidade de governar o País num momento de profunda crise econômica, política e moral. Assumi essa incumbência consciente dos desafios que teria pela frente. Recebi um País arruinado economicamente, com alta taxa de desemprego, inflação descontrolada e empresas estatais saqueadas. Encontrei um País moralmente atingido, clamando por mudanças. Conseguimos grandes vitórias. O PIB volta a crescer, o emprego dá sinais de revitalização, gestões profissionais são introduzidas em empresas estatais, a exemplo da Petrobrás e do BNDES, há forte redução da taxa Selic; liberamos as contas inativas do FGTS, aumentamos o valor do Bolsa Família, relançamos o Minha Casa, Minha Vida, criamos o Cartão Reforma, e assim por diante. Os ganhos sociais e econômicos foram imensos. Saímos da recessão. O Brasil ganhou governo e rumo.

Por Fabio Sena | 21/05/2017 - 21h28


por Luiz Henrique Machado de Paula

Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista promoveu um debate para discutir a implantação de uma Guarda Municipal, pois esta seria uma demanda da população conquistense e estava na base de propostas de todos os candidatos ao cargo de Prefeito Municipal no último pleito eleitoral, ou seja, chegaríamos neste ponto independente de quem quer que fosse o eleito. Pelo caminhar das discussões naquela casa legislativa, percebe-se que seus defensores desejam uma Guarda Municipal para atuar como se fosse uma nova “força policial” em apoio às demais polícias, em especial, à Polícia Militar. Seria uma “agência” municipal contra o crime, mas esquecem que só as infrações penais que atentem contra bens, serviços e instalações municipais, com respaldo na Constituição e na Lei, poderão ser objeto de ação dos Guardas Municipais, nos outros crimes, sua atribuição é a mesma de qualquer cidadão, com poder geral dado pelo art. 301 do Código de Processo Penal.

Por Diário Conquistense | 29/07/2017 - 00h47
Foto: Divulgação Zé Raimundo

Por Ivan Cordeiro

Os deputados petistas Zé Raimundo (estadual) e Waldenor Pereira (federal) acompanhados do coordenador do Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima, Elton Becker, participaram no dia 22 de fevereiro de 2016, de uma audiência com o secretário estadual de Cultura, Jorge Portugal, para solicitar a reforma do Teatro do Centro de Cultura de Conquista. Mais de um ano depois tudo continua exatamente igual, ou seja, muita conversa e nenhuma solução.

Na época, os deputados prometeram que além de contribuir com emendas, assumiriam o compromisso de fazer gestões junto ao Ministério da Cultura e instituições financeiras, como Banco do Nordeste, Caixa Econômica e Banco do Brasil, para buscar mais investimentos. Jorge Portugal falou das dificuldades de recursos na sua pasta para atender às principais demandas dos espaços culturais no estado. Todavia, a Concha Acústica do Teatro Castro Alves em Salvador, recebeu recentemente um investimento de R$ 90 milhões do Governo do Estado, que assegurou um amplo processo de revitalização e modernização, possibilitando mais conforto, comodidade e acessibilidade para o público e artistas.

Por Fabio Sena | 19/05/2017 - 20h13
Não deveria ser negociada pondo em risco essa grande lavagem de roupa suja da presença capitalista na democracia brasileira

por Domingos Leonelli

A situação do País é muito grave. E as soluções, lamento dizer, são também muito complexas. Defendo as eleições diretas, de preferência gerais, talvez até com possibilidade de candidaturas avulsas, dado o profundo desgaste de nossos partidos. Mas, insisto, o quadro é muitíssimo preocupante. As Diretas Já de 1983/84 deram-se em circunstancias históricas muito diferentes. Estávamos no fim de um regime politico e não no fim de governos (Dilma e Temer). Foi uma campanha longamente gestada e não pretendia derrubar o governo do General João Figueiredo mas, sim, realizar a sua sucessão pela eleição direta. Um processo iniciado no parlamento que depois ganhou os partidos , os governadores de oposição e finalmente, de maneira avassaladora, o povo brasileiro.

...234...